quarta-feira, dezembro 05, 2012

Casinha de Vila


Era uma casinha onde viviam
uma mulher e sua filha
Assim, diminutiva
Transformou-se em esperançosa ilha

Foram morar em uma vila
Outros lares dispostos em fila,
Pessoas em comunidade conviviam
E era poético,
as crianças que na rua corriam

Era um reinício,
posto que sozinhas
e é claro que o novo angustia
Mas a alma era renovada
A cada sopro de bom dia

terça-feira, dezembro 04, 2012

Aflora



Do outro lado do espelho
Dentro e fora
Tudo ganha nova forma
Difere, fere
Se perde
Mas, com alguma coragem
aflora

segunda-feira, novembro 12, 2012

Preto e Branco


Assistia a filmes em preto e branco imaginando qual seria a cor de cada elemento: a cor do cabelo de Ingrid Bergman, as luzes dos bares e as cores das tardes em Paris. Já era sua tendência idealista forçando-a a enxergar cores onde não haviam. Ou a imaginar cores mais belas do que elas seriam na realidade. Gostava dessa brincadeira de imaginar.

terça-feira, julho 24, 2012

O parto, a mídia, as pessoas e o movimento

A forma como a grande mídia vem tratando o assunto "parto e nascimento" e a forma como as pessoas vêm interpretando as questões sem o menor discernimento tem me incomodado um pouco. Não só por ser mãe e sensível às lutas pelos direitos da mulher, mas também por ser jornalista e estar dentro da chamada tal mídia. É impressionante como as pessoas aceitam tudo o que é falado sem checarem os assuntos e confrontarem opiniões e evidências. Elas acabam por fazer suas conclusões precipitadas sem o menor respaldo, baseadas, é claro, na visão de outrém.

Mídia: a parte de uma visão.

Para quem (ainda) não sabe, o Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro se sentiu no direito de proibir que médicos acompanhem partos domiciliares ou deem retaguarda para aquelas mulheres que precisam de remoção de parto em casa para hospital. As resoluções publicadas dão conta ainda da proibição de acompanhantes profissionais (doulas, obstetrizes e parteiras) em ambientes hospitalares. 

Então, vamos lá. Vamos desenhar para quem ainda não entendeu: NÃO EXISTE UMA PROIBIÇÃO AO PARTO EM CASA. Existe a punição para médicos que aceitarem fazer parte dessas equipes de assistência domiciliar ao nascimento. 


Quem quiser ler as resoluções na íntegra, basta acessar aqui:
http://www.cremerj.org.br/legislacao/detalhes.php?id=715&item=1


Acontece que os veículos de comunicação têm noticiado que o parto em casa está proibido e que as mulheres têm protestado contra essa decisão. Não, não é isso. A manifestação das mulheres é contra a decisão do Cremerj, que, em outras palavras, cerceia a liberdade de escolha daquela mulher que quer ter uma acompanhante como uma doula, obstetriz ou parteira EM UM HOSPITAL. E ainda retalia (sim, a palavra aqui é retaliação) aquela que decidir por ter seu parto em casa, punindo o médico que atender a alguma que precisar de remoção para hospital. Isso, para mim, se configura como "negar assistência médica", ou não? A resolução está clara nesse sentido, embora eles agora estejam se contradizendo ao afirmar que nenhuma mulher deixará de ser atendida em hospital (mas não é bem isso que os próprios estão divulgando..)


E ainda fere o próprio Código de Ética Médica que fala do respeito à autonomia. “Capítulo I, inciso XXI – No processo de tomada de decisões profissionais, de acordo com seus ditames de consciência e as previsões legais, o médico aceitará as escolhas de seus pacientes, relativas aos procedimentos diagnósticos e terapêuticos por eles expressos, desde que adequadas ao caso e cientificamente reconhecidas”.

Ontem (23/07) e hoje (24/07) alguns jornais televisivos, antes de falarem na decisão do Cremerj, mostraram a situação caótica de um hospital de Maceió, em que mulheres esperavam ser atendidas jogadas em corredores em trabalho de parto, parindo ou já com seus bebês. 

A demonstração de que hospitais não são exatamente sinônimo de segurança no Brasil.


Achei fantástico por um lado. Eles mostraram que os médicos e o sistema de saúde não têm dado conta da demanda e essas mulheres são maltratadas e violadas em seus direitos humanos, sexuais e reprodutivos das mais variadas formas. Logo depois, vinha matéria do Cremerj "suplicando" que as mulheres não queiram parir em suas casas.

Há duas questões diferentes aqui que quem não está dentro da discussão pode custar a perceber.

A primeira é o fato de que o nosso sistema de saúde é sobrecarregado e que nossos profissionais, em sua maioria, não sabem (e nem podem, às vezes) lidar com essa demanda crescente. Então essa "demanda", que nada mais é do que seres humanos precisando de assistência e querendo trazer seus filhos ao mundo de uma forma digna, acaba se submetendo a uma série de situações que vão desde piadinhas morais até sequentes e agressivos exames de toque, medicação desnecessária que prejudica a evolução natural do parto e traz ainda mais dor e, muito comumente, fazendo com que as mulheres não dilatem, não contraiam, enfim, não consigam ou "não sejam capazes" de parir seus rebentos. Isso, claro, sem falar na mutilação desnecessária das episiotomias de rotina (aquele cortezinho lá na vagina para aumentar a passagem). Tudo para facilitar o procedimento para quem está atendendo e não para quem está sendo atendido. 


Não se iludam: nada ali está levando em consideração o que é melhor para a mulher ou o bebê. E em maternidades privadas não é muito diferente. A diferença em relação aos hospitais privados é que, nesses, geralmente as cesáreas já estão previamente agendadas sob as justificativas mais pífias possíveis, que já foram diversas e comprovadas vezes derrubadas pelos estudos mais recentes na área.

A segunda questão é: os médicos estão exigindo um espaço que eles mesmos não têm dado conta de abarcar. E esse tipo de decisão arbitrária faz cair por terra toda a política de humanização que o próprio sistema de saúde tem, a duras penas, tentado colocar em prática através de políticas públicas como a Rede Cegonha. O próprio Ministério da Saúde reconhece a importância de profissionais como doulas, obstetrizes, enfermeiras obstetras e parteiras nesse processo. 


A participação de obstetrizes (profissionais formadas em curso superior de Obstetrícia) e doulas (acompanhantes profissionais de parto, responsáveis pelo conforto físico e emocional da parturiente durante o pré-parto, nascimento e pós-parto) integra o modelo de assistência obstétrica humanizado e centrado na mulher e tem demonstrado resultados até superiores ao esperado. De acordo com a base de dados em saúde Biblioteca Cochrane, em uma assistência promovida por obstetrizes há maiores chances de partos normais espontâneos e sem anestesia, além de maior sensação de controle durante o nascimento do bebê e mais facilidade para dar início ao aleitamento maternoEm relação às doulas, 21 ensaios clínicos com mais de 15 mil mulheres mostraram que aquelas que receberam esse tipo de suporte relataram maior satisfação com a experiência do parto, tiveram menor duração do trabalho de parto e menor risco de cesariana, entre outras vantagens.




Resumindo: essas profissionais diminuem as intercorrências em um trabalho de parto que possam levar uma mulher a precisar de uma cirurgia. Entenderam onde está o x da questão? O Brasil ocupa a primeira colocação mundial em realização de cesarianas. As taxas desse tipo de cirurgia chegam a 52%, superando os 80% em hospitais privados e em alguns chegando a ultrapassar os 90%, em grande parte, sem indicação clínica - quando o máximo recomendado pela OMS é de 15%. 

Passei por quatro ou cinco obstetras quando estive grávida e, quando demonstrava que estava estudando o assunto, eles acabavam assumindo que davam preferência às cesáreas porque eram mal remunerados pelos planos de saúde por cada parto e valia mais à pena fazer 15 cesáreas por dia do que ficar esperando uma mulher parir uma noite ou um dia inteiro (e tem mulher que leva mais tempo que isso). Ou seja: parir não combina com um sistema de saúde mercantilizado e inchado como o nosso. E ainda querem proibir parteiras e enfermeiras obstétricas de atuarem, sendo que elas são, sim, uma mão na roda para o próprio sistema continuar funcionando?

Aí voltamos à questão: as mulheres querem parir em casa? A maioria NÃO. Parir em casa é para todo mundo? Também não. Mas uma coisa todas essas mulheres têm em comum: todas querem respeito. Respeito aos seus corpos, respeito ao seu bebê, respeito ao seu tempo e, sobretudo, respeito ao seu direito de escolha. Até mesmo se essa escolha for por uma cirurgia, contanto que ela esteja sob o poder de avaliar todos os reais riscos conflitando o processo natural com o cirúrgico e, mesmo assim, acredite que essa seja a escolha mais adequada para ela. O que não dá é para ficar passivas, "pacientes", "mãezinhas", à mercê da escolha de um Conselho, né? Aliás, como diria minha avó, se Conselho fosse bom... rs 

Parto hospitalar humanizado - A mulher como protagonista.


Nós é que temos que protagonizar a nossa história. A manifestação pela humanização do parto e nascimento é um protesto de mulheres que estão em busca da sua liberdade em todas as instâncias. Liberdade de escolha. A busca por segurança é o que todas essas causas têm em comum. Nós queremos nos sentir seguras, independentemente do local. Queremos ter o PODER e estarmos emPODERadas para fazer nossas escolhas baseadas em evidências científicas e não em ludibriações e terrorismos de cordões assassinos ou corpos defeituosos que não dilatam. Queremos que os profissionais possam nos mostrar todos os caminhos e falar dos reais riscos. Que eles assumam e falem abertamente que há mortalidade e morbidade materna e perinatal em hospitais, e que as estatísticas mostram, inclusive - pasmem - que elas são ligeiramente maior em hospitais, onde estamos cercadas de títulos e aparelhos tecnológicos. 

Cesariana - A equipe médica como protagonista.



(Um grande estudo holandês publicado em 2011 analisando quase 680 mil mulheres que tiveram a chance de escolher entre parto domiciliar ou hospitalar evidenciou taxas semelhantes de mortalidade perinatal entre os dois tipos de parto - 0,15% nos partos feitos em casa e 0,18% nos partos feitos no hospital. A conclusão foi que um parto domiciliar planejado não aumenta os riscos de mortalidade e morbidade perinatal grave entre mulheres de baixo risco, desde que o sistema de saúde facilite essa opção através da disponibilidade de parteiras treinadas e um bom sistema de referência e transporte.)


Para aquelas mulheres que sempre se sentirão mais seguras em hospitais, é fundamental que o sistema de saúde garanta essa humanização, embora a maioria nem entenda o real significado de humanizar. Aliás, convenhamos, é lamentável termos que falar em "humanizar o atendimento a seres humanos", quando isso deveria ser uma redundância. Mas, infelizmente, é assim que fica claro. É sermos tratadas como gente e não como número. Basta da mercantilização dos nossos corpos.



Queremos a garantia de que aquela senhora lá do interior tenha a opção de estar na casa dela bem assistida ou de estar em um hospital decente na cidade dela. Ou garantir àquela mulher da cidade grande que tenha seu filho em casa se ela assim quiser. Por que não?  Não sejamos simplistas ou limitados, existem opções e essas opções precisam ser perpetuadas e garantidas a todas - pobres, ricas, esclarecidas ou desavisadas. Hospital, domicílio, casa de parto, água, cama, de cócoras, de quatro, deitada. Médicos deveriam estar ali para ajudar e não para impor. Deveriam saber trabalhar em uma equipe multidisciplinar. Deveriam entender, de uma vez por todas, que o parto é nosso e nós o protagonizamos. E agir quando necessário, para o que eles realmente aprenderam a tratar: DOENÇAS. E gravidez não é doença - não para a maioria dos casos.

A saber, nosso movimento quer:

  • Que a Mulher tenha o direito de escolher como, com quem e onde deve parir;

  • O cumprimento da Lei 11.108, de abril de 2005, que garante que a mulher tenha preservado o direito ao acompanhante que ela desejar na sala de Parto;

  • Que a mulher possa ter o direito de acompanhamento de uma Doula em seu trabalho de parto e parto;

  • Que a mulher, sendo gestante de baixo risco, tenha o direito de optar por um parto domiciliar planejado e seguro, com equipe médica em retaguarda caso necessite ou deseje assistência hospitalar durante o trabalho de parto;

  • Que a mulher tenha o direito de se movimentar livremente para encontrar as posições mais apropriadas e confortáveis durante seu trabalho de parto e parto;

  • Que a mulher possa ter acesso a metodos naturais de alívio de dor durante o trabalho de parto, que consistem em: massagens, banho quente, compressa, etc;

  • Um basta em relação à Violência Obstétrica e intervenções desnecessárias que consistem em: comentários agressivos, direcionamento de puxos, exames de toque, episiotomia, litotomia, etc;

  • Que haja fiscalização das altas taxas de cesáreas nas maternidades brasileiras e que as ações cabíveis sejam tomadas no sentido de reduzir essas taxas;

  • Que haja Humanização da Assistência aos Recém-Nascidos, contra as intervenções de rotina;

  • Que a mulher possa optar pelo parto domiciliar tenha direito ao acompanhamento pediátrico caso deseje ou seja necessário.


    Há décadas atrás, em Londres, as mulheres lutavam por esses direitos. Hoje, na Inglaterra, elas podem escolher por serem acompanhadas por parteiras ou médicos durante pré-natal, nascimento e pós-parto.

    Portanto, mãos à obra.
    Os cães ladram, mas a caravana não pode parar.


    Serviço:
    Marcha pela Humanização do Parto
    Data: 05/08/2012
    Local: Altura do Posto 9, praia de Ipanema (Rio de Janeiro)
    Hora: 14 horas







quarta-feira, outubro 12, 2011

Brincadeira de Criança - sobre meninos e meninas

Na semana passada me deparei com um comercial de tevê de um brinquedo para meninas que me intrigou. Trata-se de uma lava-roupa de boneca e, como se não bastasse isso, o texto ainda dizia: "uma maquininha de lavar roupa igualzinha à da mamãe".

Vamos lá: o brinquedo é rosa, cor simbólica-mor de representação do feminino, isso é indiscutível. O comercial só tem meninas e eu só vejo referências à mamãe, nada em relação ao papai. Deve ser porque, obviamente, o papai não lava roupa, correto?



O brinquedo virou febre, pelo que entendi. O título de uma matéria publicada no G1 dá conta de que a tal Lava Lava foi o maior sucesso nas lojas da 25 de março durante a campanha para o Dia das Crianças (pra quem não sabe, a 25 é o maior centro comercial de rua de São Paulo, paraíso das consumistas pobres como eu... rs). Quem quiser ler pra crer, segue o link aqui.

Bem, eu não tenho nada contra as meninas aprenderem a lavar roupa brincando, apesar de preferir outras brincadeiras mais criativas. Sei que as crianças adoram imitar os adultos e acho até saudável que elas aprendam desde pequenas a lidar com as responsabilidades domésticas, seja através do contato lúdico, seja ajudando a mamãe. Mas a minha ressalva vai para o fato disso ser claramente direcionado apenas às meninas e não aos meninos. 

Muita gente vai dizer que sou exagerada ou feminista (aliás, obrigada... rs), mas eu não quero que minha filha aprenda a lavar roupa enquanto os meninos aprendem a se divertir de verdade com bolas, carrinhos, aviões ou coisa que o valha. Eu olho ao redor as meninas brincando de fazer comida em meio a panelas e, do outro lado, meninos com bonecos e carros e só consigo visualizar o que acaba acontecendo na maioria dos lares no futuro: mulheres trabalham enquanto homens se divertem. 

Parece um treinamento. Meninas são treinadas para os cuidados com a casa (nem que seja apenas através das brincadeiras), enquanto os meninos brincam no sentido genuíno da palavra. Observo dentro das casas as famílias se desenvolvendo com essa configuração muito clara: as meninas ajudam a mamãe, enquanto os meninos são mimados. Meninas aprendem a lavar sua calcinha. Meninos deixam cuecas sujas para os outros lavarem. 

Quando crescem, os homens "maduros" (#not), mesmo aqueles com boa vontade (sim, eles existem!), ficam perdidos diante da responsabilidade de ter que dar conta da própria vida. Ora, convenhamos, cuidar de casa é um tremendo pé no saco. Ou melhor, no útero. E com cólica, pra ser bem dolorido. É um trabalho não remunerado, mal reconhecido e que não termina nunca! Ninguém gosta de ter obrigação de fazer, mas faz. Faz porque gosta de ver a casa limpa, arrumada, bem cheirosa e aconchegante. Faz porque precisa de talheres limpos para a próxima refeição, e porque, vamos combinar, dá uma dignidade danada ver a casa tinindo de organizada, né? Até eu que não sou nenhum exemplo de organização adoro ver tudo no lugar. 

Então, se ninguém gosta, mas todo mundo usufrui dos benefícios e mora no mesmo lugar, é preciso entrar na dança, arregaçar as mangas e colocar a mão na massa. Grande parte dos homens (sem generalizações, por favor) não faz a menor ideia de como ser dono da própria casa. Quando não terceirizam o trabalho doméstico, procuram uma esposa como quem seleciona uma empregada. Plus: ela ainda tem que ser bonita, depilada, boa mãe e dar um jeito de ganhar dinheiro pra ajudar no orçamento (!). 

Desculpem, mas querer educar minha filha pra entender que isso é questão de responsabilidade e não de obrigação somente dela é ser radical ou feminista? Não que eu ache isso ruim, mas pra mim é uma questão de ser justa. Os meninos não brincam de casinha, não brincam de fazer comidinha, de varrer a casa, lavar roupa, cuidar do bebê, etc, etc e etc. Então, eles crescem sem o tal "treino". Mesmo aqueles que citei lá em cima, que têm boa vontade e querem ajudar. Eles são perdidos, não sabem nem por onde começar. Não entendem que se trata de um serviço vitalício e que necessita ser realizado todos os dias. Eles não aprendem a ver o lixo cheio, a pia abarrotada, o cesto de roupa transbordando, a cama desfeita, o chão sujo e assim sucessivamente. A maioria deles - e mesmo alguns que conheço com discurso feminista, ressalte-se - simplesmente se acomoda, sobretudo, porque sabe que alguém uma hora fará o trabalho por eles. Seja porque não suporta ver tudo desorganizado, seja porque cansou de pedir cooperação, seja porque se incomoda com a sujeira. Afinal, alguém tem que fazer o trabalho sujo.

Estou escrevendo isso baseada em experiências, observações que fiz nas casas por aí, conversas entre amigas, colegas, casadas ou não, com irmãos homens,... como é cansativo perceber que a mesma história se repete o tempo todo e depois de tantos anos de história. Digo a vocês que gostaria de estar escrevendo outra coisa e fazendo constatações mais otimistas em relação à igualdade de responsabilidades entre os gêneros.

Mas o fato é que isso está longe de acontecer e só vai se concretizar quando olharmos de forma mais criteriosa para a educação. E educação, minhas queridas e meus queridos, começa em casa, bem cedo, antes da escola. Começa no cuidado, começa no brincar. 

Hoje foi meu primeiro dia das crianças como mãe de uma criança, já que no ano passado a Valentina, do alto de seu segundo mês de vida, só sabia brincar  de mamar. Hoje eu brinquei com a minha filha de dançar, desenhar e contei histórias. Passeei no parque, empurrei ela no balanço e no escorregador. Bati palmas, cantei músicas e fiz teatro de bonecos. 

Não estou dizendo que não vou deixar minha filha brincar de lavar roupa ou fazer bolinhos se assim ela quiser. Ao contrário, farei questão de inclui-la nesse universo - de forma lúdica, é claro -, para que ela entenda desde cedo que não existe mágica: as roupas não ficam limpas, a pia vazia e a comida pronta em um sacudir de varinha de condão. 

Proponho a nós, mães - já que isso também parece estar relegado principalmente às mulheres -, usarmos essa arma de forma inteligente. De tantas responsabilidades que temos em mãos, acredito que a mais poderosa seja a de educar nossos filhos para que eles escrevam histórias melhores no futuro. Vamos ensinar os meninos a lavar roupa, fazer comida e lavar suas cuecas também. Vamos brincar de casinha com eles e fazer eles de papai que também cuida dos bonecos como as meninas de suas bonecas. Não coloquem a culpa no "instinto maternal", isso nada mais é do que cultural. E cultura, meus caros, é construção social. Cons-tru-ção. 

Não vamos deixar que lá na frente os meninos que criamos escolham mulheres para os servir e sim para que escolham mulheres que sejam suas companheiras, parceiras. Alguém com quem contar na vida e dividir as coisas boas e ruins. Não vamos deixar que eles entrem em conflito com suas esposas simplesmente por não terem aprendido a ter iniciativa dentro de suas casas, com mamães tornando a vida fácil para os meninos e complicada para as meninas. Já vi mães com casais de filhos reclamarem que suas filhas "não ajudam em casa" e nada falar dos seus bebezões preguiçosos que darão trabalho às esposas mais tarde. Demorou pra mudarmos essa situação. As nossas mães são da geração da liberação feminina, porém, não entenderam muito bem o que isso significava. E acho que nem nós entendemos ainda, pois contribuímos o tempo todo para que esses "pré-conceitos" se propaguem. 

Mas ainda há tempo e eu sou cheia de esperança no futuro.

E que ele comece dentro de casa. Hoje. 

Um feliz dia de BRINCAR para todos. 






domingo, julho 24, 2011

Maternidade e Transformação



Depois que passamos por uma certa transformação chamada maternidade, vamos descobrindo pelo meio do caminho diversas coisas que não nos servem mais. É preciso estar sensível para perceber o que deve ser descartado e o que não deve e, ainda, o que queremos para o que irá nos servir novamente. Não é fácil e se você não se der conta, pode se perder de si mesma mais tarde. Então, vou podando o que não serve, retirando as partes podres, como uma planta, que precisa ser cortada e aparada para continuar crescendo forte depois.

quinta-feira, junho 16, 2011

Mamaço Carioca

Passando aqui bem rapidinho pra falar que o Mamaço Carioca foi maravilhoso! O Parque Lage estava lotado de gente do bem. Mães, amamentando ou não, pais, crianças de todas as idades, grávidas, avós, amigos. Uma cena realmente linda de se ver. Parecia até um universo paralelo, o tempo todo vinha à minha cabeça aquela música da Marisa Monte que eu AMO, "Vilarejo", que diz assim...


Há um vilarejo ali...

Onde areja um vento bom


Na varanda, quem descansa, vê o horizonte deitar no chão


Pra acalmar o coração


Lá o mundo tem razão


Terra de heróis, lares de mãe, o paraíso se mudou para lá


Por cima das casas, cal

Frutas em qualquer quintal

Peitos fartos, filhos fortes, sonhos semeando o mundo real


Toda gente cabe lá

Palestina, Shangri-lá


Vem andar e voa, vem andar e voa, vem andar e voa


Lá o tempo espera, lá é primavera


Portas e janelas ficam sempre abertas pra sorte entrar


Em todas as mesas, pão


Flores enfeitando

Os caminhos, os vestidos, os destinos


Tem um verdadeiro amor

Para quando você for...





Foi lindo. Um protesto de amor.


Quem quiser ler sobre o evento, tem matéria do site Terra aqui, com fotos.